Quem já teve mastite sabe o quanto ela pode ser dolorosa e incômoda, mas esta inflamação das glândulas mamárias, na maioria das vezes, é simples e pode ser cuidada de forma fácil e rápida, evitando que o caso se complique e cause mais dor e desconforto.

Segundo o CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças) dos Estados Unidos, uma em cada dez mães terá mastite nos três primeiros meses após o parto. E as puérperas são as mais atingidas por esta inflamação das mamas, mas é importante lembrar que não são apenas elas que podem ter mastite. A inflamação pode acometer mulheres em outras fases da vida, quando sofrem algum ferimento nos mamilos ou quando colocam piercings, e também homens, o que é mais raro, mas pode acontecer.

A mastite pode ser infecciosa, causada pela penetração e multiplicação das bactérias presentes na pele da mulher ou na boca do bebê, ou acontecer por entupimento do canal do leite, os dutos mamários, seja por insuficiência do esvaziamento da mama ou pela alta produção de leite.

Então, como saber se o que você sente é mastite? Entre os principais sintomas estão a dor nas mamas, pele avermelhada, inchada por causa do empedramento do leite e com sensação de calor. Em casos mais graves, a inflamação pode provocar também febre, náusea, pus ou sangue no bico do seio. Na maioria das vezes a mastite atinge apenas uma das mamas, mas em alguns casos pode acometer as duas.

Caso você apresente esses sintomas e sinta desconforto a ponto de cogitar a possibilidade de parar de amamentar, saiba que não há chance de que a sua infecção seja passada ao bebê pelo leite materno. Se não há pus, o mais indicado é continuar amamentando para esvaziar as mamas de leite. De qualquer forma, o melhor é sempre avisar o seu médico de confiança para cuidar das suas mamas ainda nos primeiros sintomas e evitar que a amamentação precise ser interrompida.

 

Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico de mastite poderá ser feito pelo médico de forma simples, observando os sintomas e avaliando a mama. Podem ser feitas também culturas e exames para analisar amostras do leite materno. Apenas em casos mais graves, quando o duto mamário fica completamente interrompido, pode ser necessária uma mamografia e uma biópsia para detectar a infecção.

Quando o diagnóstico é feito pelo médico e a mastite está em fase inicial, geralmente o tratamento é feito com analgésicos, ordenhas e compressas que podem ser frias nos momentos mais agudos e mornas para aliviar a dor e diminuir o inchaço da mama e a indicação de seguir amamentando. Caso haja sintomas de infecção, o mastologista indicará antibióticos específicos e antitérmicos para febre. Se houver pus, pode ser necessário também realizar uma punção e, em casos mais graves, indicação de intervenção cirúrgica para drenagem do abcesso.

 

Dicas para prevenir a mastite durante a amamentação

Em primeiro lugar é importante observar se o seu bebê está fazendo corretamente a pega do peito, pois a sucção errada pode causar fissuras no mamilo que podem se tornar portas de entrada para bactérias que levam à mastite. Caso você tenha dúvidas sobre este assunto, procure vídeos e informações na internet. Sugiro o site Mães de Peito, que fez um vídeo falando sobre o assunto com uma especialista. Acesse clicando aqui.

Outra dica é manter a mama sempre limpa antes e depois das mamadas. Use um pano com água apenas e esteja com as mãos também sempre limpas. Caso o seu leite não esteja circulando corretamente, o médico pode sugerir que você realize ordenhas manuais para aliviar as mamas. Neste caso, pense em congelar e fazer uma doação a um banco de leite materno. Saiba mais sobre o assunto acessando esta matéria do Portal G1.

No momento de amamentar, deixe que o bebê esvazie completamente uma das mamas para passa-lo à outra. Na próxima mamada, comece a amamentar pela última mama que o bebê utilizou e varie a posição para que o bebê sugue o leite de todos os seguimentos da mama. Se você quiser um aplicativo que ajude você a controlar as mamadas, leia mais nesta matéria do Portal Bebê.com.br.

Além disso, lembre de se hidratar, bebendo bastante líquido, como água, chá e água de coco e evite roupas apertadas, optando por um sutiã que sustente a mama sem causar pressão em excesso.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário